Entrevista Comigo Sobre O Diamante EP No Trama Virtual

Para minha alegria, matéria e entrevista comigo sobre o Diamante EP no site da Trama Virtual, obrigado novamente a equipe da Trama por mais essa oportunidade.

*Nova fase
por Claudio Szynkier

“Ex-rapper”, Caio Bosco fala sobre o “fim” do Radiola Santa Rosa e novo EP solo, Diamante; baixe.
Radiola Santa Rosa é, ou era, uma dupla de hip hop do Guarujá que fazia um som ao mesmo tempo festivo e inventivo. Teve destaque entre 2005 mais ou menos e 2007, fervendo em alguns festivais e lançando bom material. Caio Bosco, seu MC, depois de “um ano de renúncias”, dá a entender o fim do “duo” (outra metade: DJ Beto) e, investindo em uma sonoridade mais próxima da MPB repaginada de Lucas Santtana e Curumin, está com um EP solo em mãos. Influências declaradas são Brian Eno e Walter Franco. O lendário compositor brasileiro deu inclusive “benção” a Caio, em forma de autorização para utilização de uma canção (“Água e Sal”).Em um mundo considerado um tanto restritivo e conservador como o do rap, Caio enfrentaria desaprovação de seus pares, pela guinada? Ele se diz pouco preocupado com a possibilidade… Sobre isso, o EP (chama Diamante) e sobre o Radiola (não o nosso programa, claro!) ele mesmo falou para a TramaVirtual:
“Comecei a compor as músicas desse EP no inicio de 2008, pensando no terceiro álbum do Radiola Santa Rosa, mas como 2008 foi um ano de mudanças, escolhas e renúncias; a vida me fez resolver seguir uma carreira solo. No começo de 2009 comecei a gravar no quarto//estúdio do meu amigo Emerson Tripah, na época ele morava com a avó dele, trabalhava de manhã e a noite estudava; confiando em mim, ele deixou eu gravar na casa dele enquanto cuidava da Dona Jô (avó do meu camarada), uma síria de 83 anos que me ensinou a fazer Tabule, Homus e me estendeu a mão em um dos períodos mais complicados da minha vida.Durante os 9 produzi inspirado em Blues, Jeff Buckley, Miles Davis fase elétrica, Sly and Family Stone, Nina Simone, Van Morrison, Boards Of Canadá e Neil Young.
Comecei as gravações sampleando discos específicos do final dos anos 60 e começo dos anos 70 (o que deu a sugestão estética do que seria o meu álbum), depois gravei baixo, guitarras, teclados low-tech, etc.Não sei se esse é o fim do Radiola. O Beto é meu irmão, toca comigo e nada impede que continuemos, o mundo é redondo e tudo volta a se encontrar sempre em um determinado momento. Hoje e nos horizontes que meus olhos conseguem enxergar só vejo minha carreira solo. E não ligo a mínima para como o pessoal conservador do rap/hip hop me enxerga (*quanto a estar fazendo um som diferente do rap), não faço mais esse tipo de música (embora ame) e não vejo muito motivo para me preocupar com isso. Definitivamente me descobri como músico/cantor/compositor e sei que quero fazer isso para o resto da minha vida”
Faixa a Faixa do EP, pelo próprio Caio:
Sr Eno: Foi a última música que produzi, na época vidrado no disco No Pussyfooting do Brian Eno com o Robert Fripp, essa faixa é uma lição de casa para ver se aprendi algo com o mestre das ambiências, é o meu amor ao trabalho do Brian Eno.
Diamante: Uma das primeiras músicas que compus para esse trabalho, só o riff de guitarra escrevi há 10 anos atrás e nunca achava onde encaixa-lo. Nessa faixa quis experimentar fusões de rock, soul e surf-music, na letra quis revelar o meu amor e gratidão ao Tai Chi Chuan.
Eu Não Quero Ser Sua Garota Nunca Mais: Música inspirada em uma briga entre um casal lésbico que presenciei na festa Popscene da minha amiga Flavia Durante em Santos, na época o meu coração partido só me fez bem para interpretar essa canção que no meu ponto de vista é um Blues litorâneo.
Na2SO4+2H2O: Canção inspirada em “Água e Sal” do genial Walter Franco quando ouvi a canção do Walter me identifiquei logo de cara e vi que com ela poderia fazer uma canção que fale da minha realidade (um cara que atravessa quase que diariamente a balsa Santos-Guarujá), gravei a canção e mostrei ao Sr Franco, depois de muitas negociações entre eu, Walter e a editora da canção, consegui a autorização para usar “Água e Sal” como música incidental para a minha canção. Com certeza Walter Franco me deu a sua bênção e eu fico agradecido.
Diamante (Emerson Tripah Remix): Remix produzido pelo meu parceiro de cela Emerson Tripah no seu Studio Satori em Santos, pedi a ele que deixasse essa música que originalmente é dançante em algo contemplativo e introspectivo, valeu de coração Emerson!
Pitangueiras 1#: Faixa instrumental inspirada no talento plantio e numa das principais obra de Cristiano Sidoti, grande artista plástico guarujaense que me emprestou os discos Naif dele para samplear nessa canção.
Baixe aqui algumas canções.
* Texto extraído do site do Trama Virtual:
Anúncios
Esse post foi publicado em My Road. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s